quinta-feira, 1 de junho de 2017

Anitta bomba internet e supera 7 milhões de views em 27 horas com hit "Paradinha"

Anitta no clipe "Paradinha". Imagem: Reprodução do Videoclipe/Youtube

A cantora Anitta é um dos assuntos mais comentados desde o início da tarde desta quarta-feira, dia 31 de maio, quando lançou no Youtube o aguardado videoclipe filmado em Nova Iorque (EUA) para a música "Paradinha", primeiro hit da popstar em espanhol. Anitta, que não dormiu na noite anterior ao lançamento do single por ansiedade, deve estar contente, pois em apenas 27 horas "Paradinha" superou a marca de 7,4 milhões de visualizações, além de 440 mil curtidas aprovando a fase mais latina da ex-funkeira e 37 mil comentários sobre a performance. Ou seja, uma impressionante média de cerca de 275 mil views por hora.

Desde o lançamento do videoclipe com direção do carioca Bruno Ilogti (que também foi responsável por "Bang" e "Essa Mina É Louca") na plataforma está em primeiro lugar na lista do Youtube que aponta os vídeos que estão em alta no Brasil. Porém o sucesso não se restringe ao Brasil. O clipe, com retenções de lançar a carreira internacional de Anitta, surtiu efeito. O hit figura entre os 20 vídeos que mais foram visualizados em países como Estados Unidos e Portugal, segundo o Youtube. 

CARREIRA INTERNACIONAL

Anitta fez a parceria em português com o cantor colombiano Maluma, em agosto de 2016 na canção "Sim ou Não" (clipe soma mais de 200 milhões de views). Anitta também gravou uma música e um videoclipe (ainda não lançado oficialmente) com a rapper australiana Iggy Azalea, com quem realizou no último dia 27 de maio uma badalada apresentação no programa "The Tonight Show Starring Jimmy Fallon" da TV norte-americana. O vídeo oficial da performance no Youtube registra mais de 4 milhões de visualizações.


segunda-feira, 29 de maio de 2017

CLIPE COM ANITTA, SIMONE E SIMARIA SUPERA 300 MILHÕES DE VISUALIZAÇÕES NO YOUTUBE

Dupla sertaneja se junta à Anitta para nova faixa. (foto: Instagram/Reprodução)
A cantora Anitta começa a dar os primeiros passos de sua caminhada rumo a carreira internacional após conquistar o Brasil. A artista acaba de fazer uma apresentação no programa "The Tonight Show Starring Jimmy Fallon", da TV norte-americana, aonde realizou uma parceria na música "Switch" da rapper australiana Iggy Azalea. A performance está sendo muito comentada e o vídeo oficial alcançou mais de 2 milhões de visualizações em apenas 24 horas. 

Aqui no Brasil, o sucesso de visualizações de outra parceria musical com a cantora Anitta também está dando o que falar. O videoclipe da canção "Loka", da dupla sertaneja Simone e Simaria, acaba de superar  300 milhões de views no Youtube. Uma marca impressionante para um vídeo com apenas cinco meses na plataforma (lançado no dia 6 de janeiro de 2017). 

Até o momento esse é o clipe brasileiro com maior número de visualizações em 2017 e o sexto vídeo musical do Brasil mais visto na história do Youtube. O vídeo mais visto na plataforma é o clássico "Aí Se Eu Te Pego", de Michel Teló, lançado em julho de 2011, com mais de 749 milhões de views. Porém, em número de curtidas, a parceria de Simone e Simaria com Anitta superou o clipe de Michel Teló. São 2,1 milhões de curtidas positivas, contra 1,7 milhão de curtidas do sertanejo.

segunda-feira, 3 de abril de 2017

CRÍTICA: A DIFÍCIL MISSÃO DO NOVO "LES MISÉRABLES" EM SUBSTITUIR "WICKED"

Crédito da foto: Marco Mesquita.
A nova montagem da Broadway em São Paulo, “Les Misérables”, que está em cartaz no Teatro Renault, pela Time4Fun - empresa que se consolidou nos últimos anos como uma das principais responsáveis por produções de teatro musical no Brasil, tais como, “Wicked” (um fenômeno que conquistou fãs), “Mudança de Hábito”, “Mamma Mia!” e “Rei Leão” -, não surpreende tanto o público. Vale lembrar que a versão original desse musical, traduzido como “Os Miseráveis”, abriu há 16 anos o Teatro Renault (na época chamado de Teatro Abril) para o segmento em São Paulo, consagrando atores como Marcos Tumura (Jean Valjean), Alessandra Maestrini (Fantine), Saulo Vasconcelos (Javert), Sara Sarres (Cosette), Adriano Oliveira (Thernadie), Frederico Silveira (Marius), Ester Elias (Eponine), Leonardo Luiz (Enjolras) e Andrezza Massei (que também está na atual montagem com a personagem Madame Thenardier). 

A atual montagem apresenta bons momentos, mas carece da técnica dos musicais anteriores produzidos no Brasil, que pouco deixaram a desejar na comparação com os musicais de Nova Iorque (EUA). O novo “Les Misérables” é uma releitura moderna do tradicional musical de Alain Boublil e Claude-Michel Schönberg, que já venceu mais de 125 prêmios, além de ter sido montado em 44 países, visto por mais de 70 milhões de pessoas e traduzido para 22 línguas. Esta montagem repaginada, lançada em 2010, em Londres, deu origem a uma consagrada e premiada versão nos cinemas em 2012. É uma versão diferente do que já foi apresentado no Brasil, em 2001. Vale ressaltar também que a megaprodução é repleta de efeitos especiais, cenários luxuosos e figurinos impressionantes, mas não vou tratar disso nesta publicação. 

O início de um grande musical é muito importante para o tônus dos atores e para transmitir ao público o contexto da peça. Neste caso, a primeira cena do musical não acerta o tom de força necessário. Assim que os atores cantam sua parte, antes do personagem Jean Valjean ter o seu solo, mais uma vez a falta de tônus. Os atores estão preocupados em acertar as notas, mas esquecem da intenção para as ações de seus personagens, prejudicando o universo necessário para a montagem. Essa é a mesma falta de emoção sentida em um dos pontos mais altos do musical: a batalha sangrenta.

O ator espanhol Daniel Diges, trazido ao Brasil para interpretar o protagonista Jean Valjean, possui boa compreensão da personagem aliado a entrega necessária para o papel. O problema aqui é a pronúncia. Por vezes, no decorrer do musical, não é possível compreender o que o ator canta em português. O sotaque espanhol rouba a cena e tira a atenção do público, que cochicha baixinho até se adaptar com a situação. Daniel consegue passar a mensagem, até porque já interpretou o mesmo personagem na montagem da Espanha. Porém, é o caso para pensar se não haveria um ator a altura no Brasil, que pudesse trazer a força de Jean Valjean, tão bem feita por Marcos Tumura na primeira montagem de “Os Miseráveis” (2001) no País.

Relembre: Os quatro melhores musicais que passaram pelo Brasil.

Em compensação a atriz Andrezza Massei brilha em cena, como sempre faz em seus papeis. Andrezza dá vida a Madame Thenardier e passa toda a confiança necessária para a personagem e consegue mexer com o público desde os primeiros segundos. É possível acreditar na situação e embarcar na história com entusiasmo. A afinação e notas sempre precisas da atriz também são importantes a se destacar.O público se encanta e os aplausos só reforçam o talento inquestionável dessa grande atriz. Ivan Parente consegue acompanhar Andrezza e faz uma ótima atuação como Thenardier neste núcleo do familiar alívio cômico da história desse musical.   

Reprodução Instagram. Na foto: Ivan Parente e Andrezza Massei.
No entanto, a primeira cena em que é possível sentir o peso dramático do musical, esquecer que se tratar de uma peça de teatro e se sentir transportado para aquela realidade é a cena das prostitutas com a personagem Fantine, interpretada na medida certa por Kacau Gomes. A difícil canção e talvez uma das mais famosas músicas desse musical, “I Dreamed a Dream” (Eu Tive Um Sonho), é cantada com exatidão e leva às lágrimas parte dos expectadores. 

Vale ressaltar que Nando Pradho pode estar dando vida a um dos melhores Javert de todas as montagens já realizadas. O ator mostra um trabalho maduro com excelência no canto, nas intenções, emoções e trabalho corporal. É difícil afirmar qual o seu melhor momento, por ter uma interpretação incrível durante todo o musical, mesmo assim me arrisco: destaco a "dor" sentida por Javert durante a cena de seu suicídio.

Já a interpretação de Laura Lobo como Eponine foi boa, mas longe da arrepiante performance da atriz Nikki M. James na montagem Broadway, em 2014. O mesmo com o ator Filipe Bragança, que faz o Marius, neste caso a interpretação está boa, mas o canto ainda não está seguro. Em compensação Clara Verdier, que interpreta Cosette, está na medida certa, do canto a interpretação.

Compare os vídeos da música "One Day More", adaptado em português como "Só Mais Um". O brasileiro foi gravado na coletiva de imprensa pelo portal "Cena Musical" e o segundo vídeo é o da montagem da Broadway de 2014, em uma apresentação feita no aclamado "Tony Awards":

Brasil (2017):


Broadway (2014):

Chamou a atenção: Surpreendentemente o musical fugiu do padrão e não entregou aos espectadores o tradicional programa do espetáculo (também conhecido como PlayBill), onde traz informações sobre a montagem, produção, fotos e atores. Uma pena.

ATUALIZAÇÃO: O musical passou a distribuir o famoso encarte. 

quarta-feira, 28 de setembro de 2016

"DZI CROQUETTES" FARÁ 13 APRESENTAÇÕES EM SÃO PAULO

"Dzi Croquettes" em apresentação no Teatro João Caetano em 2015. Crédito da foto: Eduardo Mate

Quase um ano após suas duas últimas passagens por São Paulo, o grupo teatral "DZI Croquettes" acaba de anunciar em sua página oficial no Facebook que irá retornar para a maior metrópole do País para uma temporada com 13 apresentações, que serão realizadas a partir do dia 3 de novembro no Teatro Augusta, localizado no bairro da Consolação (SP).

O público paulista, que estava com saudade da bandália dos DZI, já pode comprar os ingressos para as sessões que estão programadas para acontecer de quarta a quinta-feira (até o dia 15 de dezembro), através do site "Compre Ingresso". Os preços variam entre R$ 80,00 (inteira) e R$ 40,00 (meia). 


O blog acompanhou duas sessões da passagem do musical "DZI Croquettes em Bandália", de Ciro Barcelos, realizadas no Teatro João Caetano nos dias 1 e 3 de maio de 2015 e contou aqui como o público reagiu com entusiasmo e euforia. 



"DZI Croquettes"
Foto do elenco original do "DZI Croquettes"
O grupo "DZI Croquettes" formou-se nos anos de 1970, no bairro de Santa Teresa, no Rio de Janeiro, sob o rigor e talento formidável do americano Lennie Dale (1934-1994). Eram ao todo 13 artistas completos que se uniram e criaram um movimento de liberdade em plena ditadura militar brasileira. O espetáculo conquistou os cariocas e posteriormente desembarcou em São Paulo, onde foram projetados nacionalmente, mas logo veio a censura. Durante o exílio os jovens "DZI" não se abalaram, seguiram adiante e encantaram de forma única a plateia da Europa. Anos depois, voltaram ao Brasil, onde houve a desintegração do grupo, mas nunca do ideal. 
  
Com a repercussão do documentário que retratou essa história de 45 anos, três membros da formação original, Ciro Barcellos (que dirige a peça), Bayard Tonelli (que faz participação especial em cenas lúdicas), Claudio Tovar (responsável pelo figurino) e novos talentos se reuniram para fazer uma homenagem e contar uma nova história: "DZI Croquettes em Bandália". 

segunda-feira, 4 de abril de 2016

PEÇA “UMA ESPÉCIE DE ALASCA” FAZ DUAS APRESENTAÇÕES NO ITAÚ CULTURAL


O projeto “Terça Tem Teatro” do Itaú Cultural apresenta nesta terça e quarta-feira, dias 5 e 6 de abril, às 20h, a peça “Uma Espécie de Alasca”, com direção de Gabriel Fontes Paiva e figurino assinado pela atriz Débora Fallabela, que estreia nessa peça a função de figurinista em sua carreira. A montagem com duração aproximada de 60 minutos foi escrita pelo vencedor do Nobel de Literatura em 2005, o ator, diretor, poeta e roteirista britânico Harold Pinter (1930-2008), conhecido como um dos principais representantes do teatro do absurdo. Seu texto foi inspirado no livro “Tempo de Despertar (Awakening), do neurologista Oliver Sacks (1933-2015), que chocou o público por reunir relatos reais de pacientes curados de estágios catatônicos de encefalite letárgica, após serem submetidos por ele a um novo tipo de medicamento    

Crises existenciais do ser humano, tratando de limites pessoais, relações familiares e moléstias do corpo e da alma são abordados em “Uma Espécie de Alasca”, que conta a história de Débora, que após 29 anos em coma devido a doença do sono, acorda com a mente de 16 anos de idade. Em paralelo, se desenrola o drama de sua irmã Paulinha e de seu cunhado, o médico Hornby, que cuidaram dela nesse período.

O elenco reúne os atores Yara de Novaes (Débora), Miriam Rinaldi (Paulinha) e Jorge Emil (Hornby). Para o diretor Gabriel Fontes Paiva: “São artistas genuínos que gostam de se aventurar em territórios ainda não explorados porque sabem que é no risco que podemos avançar mais”.

A montagem conta ainda com o trabalho do artista visual Luiz Duva (concebe o vídeo da peça), reconhecido pelo seu trabalho em vídeoarte, performance e novas mídias. Luisa Mata, que é destaque da nova MPB, e o músico reconhecido internacionalmente Jam da Silva, também empreendem pela primeira vez no teatro com músicas e arranjos.

Para a versão roteirizada do livro, Paiva considera que Pinter chegou a compreender os pacientes narrados por Sacks até mais do que sua equipe médica, segundo os próprios teriam observado quando assistiram à primeira montagem do texto em 1982, em Londres. “Isso mostra como o teatro pode mergulhar no inconsciente, resgatando de lá, sem juízo de valor, nossa mais sincera humanidade", comenta o diretor desta adaptação para o teatro brasileiro de Uma Espécie de Alasca, que agora ganha duas apresentações no Terça Tem Teatro do Itaú Cultural.


SERVIÇO
Peça: Uma Espécie de Alasca
Onde: Itaú Cultural (Avenida Paulista, 149)
Horário: 20h (Chegar com antecedência para retirada dos ingressos)
Quanto: Grátis 

quarta-feira, 9 de março de 2016

OS QUATRO MELHORES MUSICAIS DOS ÚLTIMOS ANOS NO BRASIL

Com diversos musicais que conquistaram o público brasileiro, destacamos quatro musicais que marcaram uma geração nos teatros do Brasil nos últimos anos. Muitos são sucesso da Broadway e outros são produções totalmente nacionais, na febre dos musicais que contam a vida de artistas da música. Atualmente está em cartaz o musical "Wicked" (leia informações aqui), por esse motivo não consta nesta relação, mas poderia tranquilamente estar. Vamos para nossa lista:

"HairSpray" (2009)


















Uma das primeiras grandes produções do gênero que fizeram muito sucesso no País, com apresentações no Rio de Janeiro e em São Paulo. Musical que teve origem do filme, de mesmo nome, e que fez sucesso na Broadway. A direção e tradução brasileira foram feitos por Miguel Falabella. No elenco, Simone Gutierrez brilhou como a protagonista Tracy. Edson Celulari, Danielle Winits, Arlete Salles, Jonatas Faro também estavam no elenco. Curiosidade: Tiago Abravanel interpretou o personagem Mr. Pinky, anos depois protagonizou o musical "Tim Maia" e estourou em todo o Brasil. O mesmo aconteceu com Karin Hils (ex-Rouge), que viveu uma das Dinamites, e anos mais tarde brilhou como a protagonista Delores, do "Mudança de Hábito". A seleção do elenco e preparo até o dia da estreia foram documentados em um programa do canal MultiShow. Abaixo uma das músicas mais animadas do musical, "Não Vamos Parar":


"Mudança de Hábito" (2015)


















Por falar em Karin Hils, a atriz e cantora brilhou com a personagem Delores no musical "Mudança de Hábito", que foi inspirado no primeiro longa metragem do filme (Sister Act), protagonizado por Whoopi Goldberg. A própria atriz norte-americana escreveu uma versão com músicas inéditas para o musical que fez sucesso na Broadway. No Brasil, "Mudança de Hábito" ficou quase um ano em cartaz no Teatro Renault, em São Paulo, com sucesso absoluto. Sua atuação rendeu a indicação de melhor atriz no terceiro Prêmio Bibi Ferreira. Thiago Machado viveu o policial bonitão Eddie. Curiosidade: a própria Whoopi Goldberg aprovou Karin Hils para viver o personagem Delores e aconselhou a brasileira a criar sua personagem com liberdade. Abaixo a canção "Pro Paraíso": 


"Mamma Mia" (2010)


Considerado um dos musicais mais longos da Broadway, por ter ficado por anos em cartaz por lá, "Mamma Mia" ganhou o palco paulista com grande sucesso. Foram 354 apresentações, com 23 canções do ABBA adaptadas por Cláudio Botelho para o português. A atriz Kiara Sasso, considerada uma das principais artistas de teatro musical do Brasil, deu vida a protagonista Donna. Pati Amoroso ficou com o papel de sua filha, Sophie. O ator Thiago Machado viveu o noivo de Sophie, o envolvente personagem Sky. Vale lembrar que o ator também participou do musical "Mudança de Hábito" anos depois, como o policial Eddie. Outros atores que foram destaque nesse envolvente musical ambientado numa ilha Grega, são: Saulo Vasconcelos (Sam), Andrezza Massei (Rosie Clet) e Baccic (Harry). Abaixo a canção "Money, Money":


"Rita Lee Mora ao Lado" (2014)




















Um lindo musical brasileiro, adaptada teatralmente do livro “Rita Lee Mora ao Lado – Uma Biografia Alucinada da Rainha do Rock”, do escritor Henrique Bartsch. O musical que conta parte da história de vida da roqueira Rita Lee é protagonizado pela atriz Mel Lisboa. O musical ficou em cartaz na capital de São Paulo e atualmente está em turnê pelo Brasil. Curiosidade: A atriz não se considera uma cantora e ficou nervosa nas primeiras apresentações. Em uma sessão no Teatro do Shopping Eldorado, Mel Lisboa e o elenco se emocionaram ao saber que Rita Lee assistiu a apresentação inteira da plateia em julho de 2014. A roqueira subiu ao palco e levou flores para Mel Lisboa, que não conteve as lágrimas. Abaixo link da interpretação da música "Coisas da Vida", um dos momentos de maior emoção do musical:



quarta-feira, 2 de março de 2016

MUSICAL DA BROADWAY, "WICKED", ESTREIA EM SÃO PAULO COM MONTAGEM BRASILEIRA

Myra Ruiz (Elphaba) e Fabi Bang (Glinda) - Créditos - Marcos Mesquita
O cenário de teatro musical no Brasil contínua forte mesmo em ano de crise econômica e política, prova disso é a megaprodução da Broadway, "Wicked", que estreia no teatro Renault, em São Paulo, nesta sexta-feira, dia 4 de março, com letras em português e um elenco brasileiro que está afinadíssimo. 

A magia desse musical já foi vista por mais de 48 milhões de pessoas no mundo, o que soma um faturamento superior a 3,9 bilhões de dólares. "Wicked" também já ganhou mais de 100 prêmios internacionais, incluindo um Grammy e três prêmios Tony Award, que é a maior premiação do teatro dos Estados Unidos.

"Wicked" estreia no Brasil. Créditos - Marcos Mesquita
Baseada no best-seller do escritor americano Gregory Maguire lançado em 1995, o livro "Wicked" narra o que teria acontecido antes e depois dos acontecimentos do clássico filme "O Mágico de OZ" (1939). Antes de Dorothy, munida de seus brilhantes sapatos e do cachorro Totó pelo caminho dos tijolos amarelos entrar em cena, a história revela como Elphaba se tornou a "bruxa má", e Glinda, a "feiticeira boa", desmistificando os respectivos adjetivos.

A superprodução estreou nos palcos em 2003 e conta com efeitos especiais de tirar o fôlego, com figurinos, jogos de luzes e cenários deslumbrantes. "Wicked" traz músicas e letras originais de Stephen Schwartz e libreto de Winnie Holzman. O musical é dirigido por Lisa Leguillou, baseada na direção original de Joe Mantello. A coreografia é de Wayne Cilento. No Brasil, a montagem possui um elenco de altíssima qualidade e vem acompanhado de uma adaptação feita para cultura e piadas do Brasil, como quando lançam o ato de fazer o famoso "beijinho no ombro" em uma das cenas. Myra Ruiz (Elphaba) e Fabi Bang (Glinda) estão ótimas como protagonistas do musical. Jonatas Faro (Fiyero), Giovanna Moreira (Nessarose), Bruno Fraga (Boq), César Mello (Doutor Dillamond), Sérgio Rufino (Mágico de OZ) e Adriana Quadros (Madame Morrible) também estão fantásticos. Destaco ainda a participação de Diego Montez (que está no ar na novela" Cúmplices de Um Resgate", do SBT), como ensemble e cover do Fiyero.

Veja vídeo do música 'Venha Ver' (One Short Day), disponível no canal "Cena Musical":



Confira a sinopse: 
Muito antes de Dorothy chegar, duas outras garotas se conheceram na Terra de Oz. Elphaba, nascida com a pele cor verde-esmeralda, é esperta, ardente e incompreendida. Glinda é belíssima, ambiciosa e muito popular. Essa megaprodução, que faz rir e chorar, traz à tona os segredos que levam Elphaba a se tornar uma bruxa “má” e Glinda a ganhar a simpatia dos habitantes da Cidade das Esmeraldas. Wicked, por meio de números e performances surpreendentes, mostra que toda história tem diversos pontos de vista e que ser diferente faz de você alguém único e extraordinário.

Serviço:Musical: Wicked
Local: Teatro Renault - Av. Brigadeiro Luís Antônio, 411 – Bela Vista, São Paulo – SP
Sessões: Quintas e Sextas, às 21h, Sábados, às 16h e 21h, e Domingos, às 15h e 20h.
Temporada: de 04 de março a 31 de julho de 2016
Capacidade: 1.530 lugares.
Assentos: O teatro conta com 16 assentos para deficientes físicos e 11 para pessoas obesas.
Classificação: Livre. 
Estacionamento: O teatro não possui estacionamento próprio.
Ingressos: De R$ 50 a R$ 280.

terça-feira, 23 de fevereiro de 2016

TOP 10 COM OS CLIPES QUE USAM SÃO PAULO COMO CENÁRIO

A cidade de São Paulo é ampla e rica nos sentidos mais variados, desde o aspecto gastronômico até a questão multicultural trazida por pessoas de todos os cantos do País e do mundo. Talvez por isso a metrópole mais famosa do Brasil já tenha sido cenário de diversos videoclipes de bandas, duplas e cantores. Uma maneira divertida de conhecer um pouco dessa cidade fantástica é através da música, então confira uma lista com os 10 clipes gravados no centro de São Paulo. Relembre, comente e opine, caso se lembre de algum videoclipe incrível que ficou de fora da lista.


Supla - São Paulo
Filho de Eduardo Suplicy e Marta Suplicy, o cantor gravou uma música que a princípio seria usada para campanha eleitoral de seu pai. A canção acabou não sendo utilizada para essa finalidade, mas ganhou um videoclipe que mostra o centro de São Paulo e a avenida Paulista. Faz parte do CD "O Charada Brasileiro" (2001), como faixa bônus. 



Pitty - Déja Vu
A cansão da baiana Pitty começa em preto e branco com a apatia que uma grande metrópole pode trazer, afinal é a grande selva cinza. Após um banho de chuva, a alma é lavada e as cores retomadas. Clipe inteiramente rodado no centro velho de São Paulo. Música pertence ao álbum Anacrônico (2005). 



CPM 22 - Regina Let's Go
Rock que agitou os adolescentes nos anos 2000, a banda CPM 22 também gravou um videoclipe no centro da cidade. A banda mostra imagens no bairro da Liberdade, tradicionalmente uma região oriental. Essa música faz parte do álbum que leva o mesmo nome da banda, "CPM 22" (2001). 



Brenner Bianco - Sete e Meia
Pop rock romântico que fez sucesso no interior paulista teve a versão do clipe rodada no centro. Em um determinado momento Brenner Bianco aparece em meio a chuva, assim como a Pitty. Talvez pela fama de cidade da garoa. É possível ver ainda imagens do Theatro Municipal de São Paulo, construído em 1911. Também podemos ver trabalho de artistas de rua e imagens do Rio Pinheiro (que não fica na região central, mas está valendo). Música faz parte do CD "Temporais" (2003).




CPM 22 - Nossa Música
Essa banda realmente ama São Paulo. Anos após "Regina Let's Go", CPM 22 gravou um novo clipe que tem como cenário central o famoso Minhocão (Elevado Costa e Silva), assim como alguns dos antigos prédios da região. A canção foi lançada em 2008 e faz parte do álbum "Cidade Cinza".



Charlie Brown Jr. - Um Dia a Gente Se Encontra
Essa música foi lançada em formato de videoclipe após as trágicas mortes de cantor Chorão (overdose de cocaína) e do baixista Champignon (cometeu suicídio). O clipe foi rodado no centro de São Paulo, no edifício Planalto e contou com participação de fãs da banda, assim como: Supla, Marcelo Nova, Marcelo D2, Heitor Gomes e Japinha do 'CPM22', Zeider do 'Planta e Raiz', Egypcio do Tihuana, Kiko Zambianchi e Lena Papini do 'A Banca'. Lançado em 2013, faz parte do álbum La "Familia 013".


Erikka Rodrigues- Aumenta o Som Que Eu Vou Dançar
Projeto da Erikka em que ela se lançou no segmento pop, com o nome Erikka SuperNova. A canção com pegada eletrônica fez sucesso na internet e foi rodado na Avenida Paulista, próximo ao Metrô Consolação. A música é dançante e o visual da Erikka lembra de longe a brasilidade dos looks de Carmen Miranda. Clipe lançado no ano de 2011.


Lucas Lucco - Vai Vendo
Um dos ícones do sertanejo universitário atual, Lucas Lucco gravou um clipe na Avenida Paulista em que dança com garotas no centro da avenida. A canção faz parte do álbum "O Destino - Ao Vivo" (2014).


Pedro & Thiago - Toque de Mágica
A dupla, respectivamente filhos de Leandro e Leonardo, conquistou a garotada no início dos anos 2000, quando o termo sertanejo universitário ainda nem era forte. A canção "Um Toque de Mágica" rendeu a dupla diversas participações em programas de televisão. Pedro e Thiago gravaram o clipe no centro de São Paulo, no topo de um prédio, em 2002.


Rodox - Olhos Abertos
Ambientado no centro de São Paulo, nos prédios próximos a Biblioteca Mário de Andrade, o clipe da banda Rodox toca um rock, chamado por alguns como rock cristão pela letra. Essa é a banda liderada pelo cantor Rodolfo, que foi vocalista da "Raimundos". Clipe lançado em 2002.


quarta-feira, 9 de setembro de 2015

SÃO PAULO GANHA PADARIA EXCLUSIVA PARA CÃES E GATOS

Os paulistas estão acostumados a buscar uma padaria a qualquer momento do dia, seja para o café da manhã, para o lanche da tarde, para uma sopa a noite ou para uma cerveja com os amigos. Pois é, esse programa ganha quatro patas a partir do dia 15 de setembro, quando entra em funcionamento no bairro de Pinheiros (SP), a "Padaria Pet", única destinada para cães e gatos. 

Mais de 60 petiscos aprovados por um veterinário são comercializados. Crédito: Divulgação. 
Segundo a assessoria de imprensa da padaria dos empresários e irmãos Rodrigo Chen e Ricardo Chen, a padaria possui alimentos desenvolvidos, avaliados e aprovados por um veterinário pós graduado em nutrição animal. Além disso, alguns dos alimentos também são produzidos em parceria com o SENAI-SP e acompanham selo de certificação, o SIF, liberado pelo Ministério da Agricultura.

Fachada da "Padaria PET", que entra em funcionamento para os paulista no dia 15 de setembro. Crédito: Divulgação.
A padaria oferece café da manhã por quilo para cães e gatos, além de uma linha de produtos orgânicos com biscoitos integrais, patês importados e indicados para cães alérgicos. Os clientes também poderão comprar rações sem transgênicos e que utilizam conservantes naturais, quase não é encontrado entre as principais marcas disponíveis nos pet shops. Os animais também podem saborear mais de 60 petiscos artesanais sem adição de conservantes e corantes, que incluem picolés, doces, bolos, molhos lights, cupcakes, churros e até brigadeiro de colher. Os pets ainda podem se alimentar com comidas congeladas que são feitas com alimentos naturais e suplementadas com vitaminas e minerais.

Cerveja para cães. Crédito: Divulgação.
As bebidas da padaria também chamam a atenção, pois os pets podem saborear cervejas preparadas sem álcool, sucos de frutas, água de coco para cães e um "Miau Milk" exclusivo para gatos. Os donos que acompanham seus amigos de quatro patas também podem saborear alguns quitutes que estão à venda para humanos, como água de coco e pão de mel.

Serviço:
Endereço: Rua Mateus Grou, 132- Pinheiros – São Paulo – SP
Telefone: (11) 3637-6520
Funcionamento: segunda à sexta-feira das 7h às 20h, sábado das 8h às 19h e domingo das 10h às 15h30
Informações: www.padariapet.com.br

segunda-feira, 4 de maio de 2015

"DZI CROQUETTES" CONQUISTA MAIS UMA VEZ SÃO PAULO

Longas filas com um público ansioso e empolgado. O encantamento, maquiagem, purpurina, vestidos sensuais, salto alto, pernas peludas e muita dança entram em cena. É o espetáculo musical "DZI Croquettes em Bandália" que desembarcou em São Paulo para três apresentações únicas que ocorreram nas noites dos dias 1º, 2 e 3 de maio. 

Essa foi a primeira passagem do espetáculo em terras paulistas desde seu lançamento, há três anos. A peça foi elaborada a partir do sucesso do premiado documentário "DZI Croquettes" (2009), dirigido por Tatiana Issa e Raphael Alvarez.

Crédito da foto: Eduardo Mate

O grupo "DZI Croquettes" formou-se nos anos de 1970, no bairro de Santa Teresa, no Rio de Janeiro, sob o rigor e talento formidável do americano Lennie Dale (1934-1994). Eram ao todo 13 artistas completos que se uniram e criaram um movimento de liberdade em plena ditadura militar brasileira. O espetáculo conquistou os cariocas e posteriormente desembarcou em São Paulo, onde foram projetados nacionalmente, mas logo veio a censura. Durante o exílio os jovens "DZI" não se abalaram, seguiram adiante e encantaram de forma única a plateia da Europa. Anos depois, voltaram ao Brasil, onde houve a desintegração do grupo, mas nunca do ideal. 

Com a repercussão do documentário que retratou essa história de mais de 40 anos, três membros da formação original, Ciro Barcellos (que dirige a peça), Bayard Tonelli (que faz participação especial em cenas lúdicas), Claudio Tovar (responsável pelo figurino) e novos talentos se reuniram para fazer uma homenagem e contar uma nova história: "DZI Croquettes em Bandália". 


                                                                      Crédito da foto: Eduardo Mate

A peça mostra um grupo de jovens artistas que após assistirem ao documentário do "DZI Croquettes" se reúnem numa garagem com dois "DZI" originais para modificarem a caretice do teatro que se tornou habitual. A partir daí, como numa república, os 12 artistas vivenciam diversas situações, repletas de rituais, com dança, comédia, drama, energia, sensualidade, sapateado e música de diversos seguimentos, que passam pelo rock, samba, tango, MPB, etc. 

        Crédito da foto: Eduardo Mate

Filas quilométricas se formaram em frente ao teatro João Caetano, no bairro Vila Clementino. As apresentações foram gratuitas e fizeram parte do "Circuito São Paulo de Cultura", organizado pela Prefeitura. Foram aproximadamente 1.500 pessoas em apenas três sessões. O público era variado e não se incomodou de esperar quatro horas na fila para ficar mais próximo do palco e lotar o teatro. Aplaudidos em pé no final de cada sessão, os "DZI" foram gentis ao atender todos no final da apresentação. Muitas fotos e elogios pelo trabalho envolvente e emocionante que tocou os espectadores de diferentes idades durante os 110 minutos de espetáculo.


                                                                      Crédito da foto: Eduardo Mate

Além de Ciro Barcellos e da participação especial de Bayard Tonelli, o espetáculo contou com os atores: Bruno Gissoni (o mais recente "DZI"), Demetrio Gil, Franco Kuster, Leandro Melo, Lukas Lima, Pedro Valério, Ricardo Burgos, Rodolfo Goulart, Sonny Duque e Udylê Procópio.


                                                                     Crédito da foto: Eduardo Mate

Ao término da última apresentação, o público se questionava quando teriam a oportunidade de assistir mais uma vez ao "DZI".